Looking for items from Japan? Rakuten International Shipping Service
クリスチャン不動産投資家ルカ|FEBCリスナーファンサイト
ニュース・話題

A novel coronavirus (nCoV) ボルタの生徒さんへ To the students of the Volta Aux étudiants de la Volta Aos alunos do Volta Aos alunos do Volta 给伏尔塔的学生 볼타 의 학생들에게

私はXserverを使っていますが、今ならmixhostを選びます。WordPressも簡単インストール(^^)♪

ヴォルタ高校の皆さんへ
”ドイツのアラマン族がミラノに持ち込む可能性があると健康省が恐れていたペスト。
それは、実際に持ち込まれ、イタリア中に蔓延し、人々を死に至らしめた…”
これは、1630年にミラノを襲ったペストの流行について書かれた”許嫁”の有名な第31章です。
見事な先見性と良質な文章。
ここ数日の混乱の中に置かれた君たちに、よく読んでみることをお勧めします。
ここに全てが書かれています。
外国人を危険と見なし、当局間は激しい衝突。
最初の感染者をヒステリックなまでに捜索し、
専門家を軽視し、感染させた疑いのある者を狩り、
デマに翻弄され、愚かな治療を試し、
必需品を買い漁り、そして医療危機。
君たちもよく知っている通りの名前がいくつも登場するこの章は、
マンゾーニの小説というより、まるで今日の新聞を読んでいるかのようです。
親愛なる生徒たち。
規則的な学校生活は市民の秩序を学ぶためにも必要です。
休校に至るには、当局もそれ相応の決断をしたのでしょう。
専門家でもない私は、その判断の正当性を評価することも、また評価できると過信もしません。
当局の判断を信頼し、尊重し、その指示を注意深く観察して、そして君たちには次のことを伝えたいと思います。
冷静さを保ち、集団パニックに巻き込まれないでください。
基本的な対策(手洗いうがいなど)を怠らず、日常生活を続けてください。
この機会を利用して散歩をしたり、良質な本を読んでください。
体調に不備がなければ家にこもっている理由はありませんが、スーパーや薬局に殺到しマスクを探しに行く理由もありません。
マスクは病気の人に必要なものです。
感染の広がりが速いのは、発展した文明の結果です。
それを止める壁がないことは、数世紀前も同様で、ただその速度が遅かっただけです。
このような危機における最大のリスクについては、マンゾーニ、そしてボッカッチョが、私たちに教えてくれています。
それは、人間が作る社会が毒され、市民生活が荒れること。
目に見えない敵に脅かされた時、人間の本能は、あたかもそこらじゅうに敵がいるかのように感じさせ、私たちと同じ人々までもを脅威とみなしてしまう危険があります。
14世紀と17世紀のペスト流行時とは異なり、現代の私たちには確実で進歩し続ける医学があります。
社会と人間性、私たちの最も貴重な資産であるこれらを守るために、文明的で合理的な思考をしましょう。
もしそれができなければ、”ペスト”が勝利してしまうかもしれません。
では、学校で君たちを待っています。
イタリアミラノ ヴォルタ高校校長先生の手紙から転載
 ⇒ https://ameblo.jp/mahiro-1028415/entry-12579252255.html
To the students of the Volta
“The plague that the health court had feared could enter with the alemanne gangs in Milan, had really entered it, as is known; and it is also known that he did not stop there, but invaded and unpopulated a good part of Italy…..”
The words just mentioned are those that open chapter 31 of the Promised newlyweds, a chapter that together with the next is entirely dedicated to the plague epidemic that struck Milan in 1630. It is an illuminating text and extraordinary modernity that I advise you to read carefully, especially in these confused days. Inside those pages there is already everything, the certainty of the dangerousness of foreigners, the violent clash between the authorities, the spasmodic search for the so-called patient zero, the contempt for experts, the hunt for the anoints, the uncontrolled voices, the most absurd remedies, the raiding of basic necessities, the health emergency…. In those pages you will come across, among other things, names that you surely know by frequenting the streets around our Lyceum that, let’s not forget, stands at the center of what was the lazzaretto of Milan: Ludovico Settala, Alessandro Tadino, Felice Casati for to name a few. In short, more than from the novel of Manzoni those words seem to have popped out of the pages of a newspaper today.
Dear boys, nothing new under the sun, I would say, and yet closed school requires me to speak. Ours is one of those institutions that with its rhythms and its rites marks the passage of time and the orderly unfolding of civil life, it is no coincidence that the forced closure of schools is something that the authorities resort to in rare and truly exceptional cases. It is not for me to assess the appropriateness of the measure, I am not an expert or pretend to be, I respect and trust the authorities and I scrupulously observe the indications, but what I want to tell you is to keep your cool, not to let yourself be dragged by the collective delirium, to continue – with the necessary precautions – to make a normal life. Take advantage of these days to take walks, to read a good book, there is no reason – if you are well – to stay indoors. There is no reason to storm supermarkets and pharmacies, masks left to those who are sick, they serve only them.
The speed with which a disease can move from one end of the world to another is the daughter of our time, there are no walls that can stop them, centuries ago they moved equally, only a little slower. One of the greatest risks in such events, Manzoni and perhaps even more Boccaccio, teach us is the poisoning of social life, of human relations, the embarrassment of civil life. The atheistic instinct when you feel threatened by an invisible enemy is to see it everywhere, the danger is to look at each of our fellows as a threat, as a potential aggressor. Compared to the epidemics of the 14th and 17th centuries, we have modern medicine on our side, it is not a little believe me, its progress, its certainties, we use the rational thought of which it is daughter to preserve the most precious good that we possess, our tissue social life, our humanity. If we can’t do it, the plague will have really won.
I’m waiting for you at school soon.
Aux étudiants de la Volta
“La peste que le tribunal de santé avait craint pourrait entrer avec les gangs alemanne à Milan, avait vraiment entré, comme on le sait; et on sait aussi qu’il ne s’est pas arrêté là, mais qu’il a envahi et inhabité une bonne partie de l’Italie…
Les mots qui viennent d’être mentionnés sont ceux qui ouvrent le chapitre 31 des jeunes mariés promis, un chapitre qui, avec le prochain est entièrement consacré à l’épidémie de peste qui a frappé Milan en 1630. C’est un texte éclairant et d’une modernité extraordinaire que je vous conseille de lire attentivement, surtout en ces jours confus. A l’intérieur de ces pages il y a déjà tout, la certitude de la dangerosité des étrangers, l’affrontement violent entre les autorités, la recherche spasmodique du soi-disant patient zéro, le mépris des experts, la chasse aux ondules, les voix incontrôlées, les remèdes les plus absurdes, le raid des nécessités de base, l’urgence sanitaire …. Dans ces pages, vous rencontrerez, entre autres choses, des noms que vous connaissez sûrement en fréquentant les rues autour de notre Lycée qui, n’oublions pas, se trouve au centre de ce qui était le lazzaretto de Milan: Ludovico Settala, Alessandro Tadino, Felice Casati pour pour n’en nommer que quelques-uns. En bref, plus que du roman de Manzoni ces mots semblent avoir surgi des pages d’un journal aujourd’hui.
Chers garçons, rien de nouveau sous le soleil, je dirais, et pourtant l’école fermée m’oblige à parler. La nôtre est l’une de ces institutions qui, avec ses rythmes et ses rites, marque le passage du temps et le déroulement ordonné de la vie civile, ce n’est pas un hasard si la fermeture forcée des écoles est une chose à laquelle les autorités ont recours dans des cas rares et vraiment exceptionnels. Ce n’est pas à moi d’évaluer la pertinence de la mesure, je ne suis pas un expert ou de faire semblant d’être, je respecte et fais confiance aux autorités et j’observe scrupuleusement les indications, mais ce que je veux vous dire, c’est de garder votre sang-froid, de ne pas vous laisser entraîner par le délire collectif, de continuer – avec les précautions nécessaires – pour faire une vie normale. Profitez de ces journées pour faire des promenades, pour lire un bon livre, il n’y a aucune raison – si vous êtes bien – de rester à l’intérieur. Il n’y a aucune raison de prendre d’assaut les supermarchés et les pharmacies, les masques laissés à ceux qui sont malades, ils ne servent qu’eux.
La vitesse avec laquelle une maladie peut se déplacer d’une extrémité du monde à l’autre est la fille de notre temps, il n’y a pas de murs qui peuvent les arrêter, il ya des siècles, ils se déplaçaient également, seulement un peu plus lent. L’un des plus grands risques dans de tels événements, Manzoni et peut-être encore plus Boccaccio, nous enseignent est l’empoisonnement de la vie sociale, des relations humaines, l’embarras de la vie civile. L’instinct athée quand vous vous sentez menacé par un ennemi invisible est de le voir partout, le danger est de regarder chacun de nos semblables comme une menace, comme un agresseur potentiel. Par rapport aux épidémies des XIVe et XVIIe siècles, nous avons la médecine moderne de notre côté, ce n’est pas un peu me croire, son progrès, ses certitudes, nous utilisons la pensée rationnelle dont elle est la fille pour préserver le bien le plus précieux que nous possédons, nos tissus vie sociale, notre humanité. Si on ne peut pas le faire, la peste aura vraiment gagné.
Je t’attends bien tôt à l’école.
Aos alunos do Volta
“A praga que o tribunal de saúde temia poder entrar com as gangues alemanne em Milão, tinha realmente entrado nela, como é conhecido; e também se sabe que ele não parou por aí, mas invadiu e despovoou boa parte da Itália…..”
As palavras mencionadas são aquelas que abrem o capítulo 31 dos recém-casados prometidos, um capítulo que, juntamente com o próximo, é inteiramente dedicado à epidemia de pragas que atingiu Milão em 1630. É um texto esclarecedor e uma extraordinária modernidade que eu aconselho você a ler com cuidado, especialmente nestes dias confusos. Dentro dessas páginas já há tudo, a certeza da periculosidade dos estrangeiros, o violento embate entre as autoridades, a busca espasmódica pelo chamado paciente zero, o desprezo pelos peritos, a busca pelos ungidos, as vozes descontroladas, os remédios mais absurdos, o ataque de necessidades básicas, a emergência de saúde…… Nessas páginas você vai encontrar, entre outras coisas, nomes que você certamente conhece frequentando as ruas ao redor do nosso Lyceum que, não vamos esquecer, fica no centro do que foi o lazzaretto de Milão: Ludovico Settala, Alessandro Tadino, Felice Casati para para citar alguns. Em suma, mais do que do romance de Manzoni essas palavras parecem ter saído das páginas de um jornal hoje.
Caros rapazes, nada de novo o sol, eu diria, e ainda assim a escola fechada exige que eu fale. A nossa é uma dessas instituições que, com seus ritmos e seus ritos, marca a passagem do tempo e o desdobramento ordenado da vida civil, não é coincidência que o fechamento forçado das escolas seja algo a que as autoridades recorrem em casos raros e verdadeiramente excepcionais. Não cabe a mim avaliar a adequação da medida, não sou especialista ou finjo ser, respeito e confio nas autoridades e observei escrupulosamente as indicações, mas o que quero dizer é manter a calma, não se deixar arrastado pelo delírio coletivo, para continuar – com as precauções necessárias – para fazer uma vida normal. Aproveite esses dias para passear, para ler um bom livro, não há razão – se você estiver bem – para ficar dentro de casa. Não há razão para invadir supermercados e farmácias, máscaras deixadas para aqueles que estão doentes, eles servem apenas eles.
A velocidade com que uma doença pode se mover de um lado do mundo para outro é a filha do nosso tempo, não há paredes que possam pará-los, séculos atrás eles se moveram igualmente, apenas um pouco mais lento. Um dos maiores riscos em tais eventos, Manzoni e talvez ainda mais Boccaccio, nos ensinam é o envenenamento da vida social, das relações humanas, o constrangimento da vida civil. O instinto ateu quando você se sente ameaçado por um inimigo invisível é vê-lo em todos os lugares, o perigo é olhar para cada um de nossos companheiros como uma ameaça, como um potencial agressor. Comparado com as epidemias dos séculos XIV e XVII, temos a medicina moderna do nosso lado, não é um pouco acredite em mim, seu progresso, suas certezas, usamos o pensamento racional do qual é filha para preservar o bem mais precioso que possuímos, nosso tecido vida social, nossa humanidade. Se não conseguirmos, a peste realmente terá vencido.
Estou esperando por você na escola em breve.
Aos alunos do Volta
“A praga que o tribunal de saúde temia poder entrar com as gangues alemanne em Milão, tinha realmente entrado nela, como é conhecido; e também se sabe que ele não parou por aí, mas invadiu e despovoou boa parte da Itália…..”
As palavras mencionadas são aquelas que abrem o capítulo 31 dos recém-casados prometidos, um capítulo que, juntamente com o próximo, é inteiramente dedicado à epidemia de pragas que atingiu Milão em 1630. É um texto esclarecedor e uma extraordinária modernidade que eu aconselho você a ler com cuidado, especialmente nestes dias confusos. Dentro dessas páginas já há tudo, a certeza da periculosidade dos estrangeiros, o violento embate entre as autoridades, a busca espasmódica pelo chamado paciente zero, o desprezo pelos peritos, a busca pelos ungidos, as vozes descontroladas, os remédios mais absurdos, o ataque de necessidades básicas, a emergência de saúde…… Nessas páginas você vai encontrar, entre outras coisas, nomes que você certamente conhece frequentando as ruas ao redor do nosso Lyceum que, não vamos esquecer, fica no centro do que foi o lazzaretto de Milão: Ludovico Settala, Alessandro Tadino, Felice Casati para para citar alguns. Em suma, mais do que do romance de Manzoni essas palavras parecem ter saído das páginas de um jornal hoje.
Caros rapazes, nada de novo o sol, eu diria, e ainda assim a escola fechada exige que eu fale. A nossa é uma dessas instituições que, com seus ritmos e seus ritos, marca a passagem do tempo e o desdobramento ordenado da vida civil, não é coincidência que o fechamento forçado das escolas seja algo a que as autoridades recorrem em casos raros e verdadeiramente excepcionais. Não cabe a mim avaliar a adequação da medida, não sou especialista ou finjo ser, respeito e confio nas autoridades e observei escrupulosamente as indicações, mas o que quero dizer é manter a calma, não se deixar arrastado pelo delírio coletivo, para continuar – com as precauções necessárias – para fazer uma vida normal. Aproveite esses dias para passear, para ler um bom livro, não há razão – se você estiver bem – para ficar dentro de casa. Não há razão para invadir supermercados e farmácias, máscaras deixadas para aqueles que estão doentes, eles servem apenas eles.
A velocidade com que uma doença pode se mover de um lado do mundo para outro é a filha do nosso tempo, não há paredes que possam pará-los, séculos atrás eles se moveram igualmente, apenas um pouco mais lento. Um dos maiores riscos em tais eventos, Manzoni e talvez ainda mais Boccaccio, nos ensinam é o envenenamento da vida social, das relações humanas, o constrangimento da vida civil. O instinto ateu quando você se sente ameaçado por um inimigo invisível é vê-lo em todos os lugares, o perigo é olhar para cada um de nossos companheiros como uma ameaça, como um potencial agressor. Comparado com as epidemias dos séculos XIV e XVII, temos a medicina moderna do nosso lado, não é um pouco acredite em mim, seu progresso, suas certezas, usamos o pensamento racional do qual é filha para preservar o bem mais precioso que possuímos, nosso tecido vida social, nossa humanidade. Se não conseguirmos, a peste realmente terá vencido.
Estou esperando por você na escola em breve.
Aos alunos da Volta
“A praga que o tribunal de saúde temia poder entrar com os gangs de Alemanne em Milão, tinha realmente entrado nela, como é sabido; e também se sabe que ele não ficou por aqui, mas invadiu e despovoou uma boa parte da Itália…..”
As palavras acabadas de ser mencionadas são aquelas que abrem o capítulo 31 dos recém-casados prometidos, um capítulo que, juntamente com o próximo, é inteiramente dedicado à epidemia de peste que atingiu Milão em 1630. É um texto esclarecedor e uma modernidade extraordinária que lhe aconselho a ler atentamente, especialmente nestes dias confusos. Dentro dessas páginas já há tudo, a certeza da perigosidade dos estrangeiros, o violento confronto entre as autoridades, a busca espasmódica do chamado paciente zero, o desprezo pelos especialistas, a caça aos ungintes, as vozes descontroladas, os remédios mais absurdos, o ataque às necessidades básicas, a emergência de saúde… Nessas páginas você vai encontrar, entre outras coisas, nomes que certamente conhece ao frequentar as ruas ao redor do nosso Lyceum que, não nos esqueçamos, está no centro do que foi o lazzaretto de Milão: Ludovico Settala, Alessandro Tadino, Felice Casati para para citar alguns. Em suma, mais do que do romance de Manzoni, estas palavras parecem ter saído das páginas de um jornal hoje.
Caros rapazes, nada de novo sob o sol, diria eu, e mesmo assim a escola fechada obriga-me a falar. A nossa é uma daquelas instituições que, com os seus ritmos e ritos, marca mandam o tempo e o desenrolar ordenado da vida civil, não é por acaso que o encerramento forçado das escolas é algo a que as autoridades recorrem em casos raros e verdadeiramente excecionais. Não me cabe a mim avaliar a adequação da medida, não sou um perito ou finjo ser, respeito e confio nas autoridades e observo escrupulosamente as indicações, mas o que quero dizer-lhe é manter a calma, não deixar-se arrastar pelo delírio coletivo, para continuar – com as precauções necessárias – a fazer uma vida normal. Aproveite estes dias para passear, para ler um bom livro, não há razão – se estiver bem – para ficar dentro de casa. Não há razão para invadir supermercados e farmácias, máscaras deixadas a quem está doente, só servem.
A velocidade com que uma doença pode mover-se de uma ponta ao outro do mundo é a filha do nosso tempo, não há paredes que os possam impedir, há séculos eles moveram-se igualmente, apenas um pouco mais lento. Um dos maiores riscos de tais eventos, Manzoni e talvez ainda mais Boccaccio, nos ensinar é o envenenamento da vida social, das relações humanas, o embaraço da vida civil. O instinto ateísta quando nos sentimos ameaçados por um inimigo invisível é vê-lo em todo o lado, o perigo é olhar para cada um dos nossos como uma ameaça, como um potencial agressor. Comparado com as epidemias dos séculos XIV e XVII, temos a medicina moderna do nosso lado, não é um pouco acreditar em mim, no seu progresso, nas suas certezas, usamos o pensamento racional de que é filha para preservar o bem mais precioso que possuímos, o nosso tecido vida social, a nossa humanidade. Se não conseguirmos, a peste terá realmente vencido.
Estou à sua espera na escola em breve. …
给伏尔塔的学生
“卫生法庭曾担心与米兰的阿莱曼尼帮派一起进入的瘟疫,正如众所周知的那样,确实进入了它;也是众所周知的,他并没有停在那里,而是入侵和无人居住的意大利大部分地区…”
刚才提到的词是《承诺新婚》第31章的一章,这一章与下一章一起,完全致力于1630年袭击米兰的瘟疫疫情。这是一个启发性的文本和非凡的现代性,我建议你仔细阅读,特别是在这些混乱的日子。在这些网页中,已经一切,外国人危险的确定性,当局之间的暴力冲突,对所谓的病人零的痉挛搜索,对专家的蔑视,对名词的追捕,不受控制的声音,最荒谬的补救措施,袭击基本生活必需品 卫生紧急事件…在这些网页中,你将遇到,除其他外,你肯定知道的名字,经常光顾我们的Lyceum周围的街道,让我们不要忘记,站在什么是米兰的拉扎雷托的中心:卢多维科·塞塔拉,亚历山德罗·塔迪诺,费利斯·卡萨蒂举几例。简而言之,这些词似乎在今天的报纸版面上突然冒出来,比曼佐尼的小说还多。
亲爱的孩子们,在阳光下没有什么新鲜事,我会说,然而关闭的学校需要我说话。我们的机构是那些以其节奏和仪式标志着时间的流逝和公民生活的有序展开的机构之一,强迫关闭学校是当局在罕见和真正特殊的情况下诉诸的东西,这绝非巧合。这不是我评估的措施的适当性,我不是专家或假装,我尊重和信任当局,我严格遵守的迹象,但我想告诉你的是保持冷静,而不是让自己被拖集体精神错乱,继续 – 必要的预防措施 – 使正常的生活。利用这些天散步,读一本好书,没有理由-如果你很好-呆在室内。没有理由冲进超市和药店,把口罩留给那些生病的人,他们只提供口罩。
疾病从世界一端转移到另一端的速度是我们时代的女儿,没有可以阻止它们的墙壁,几个世纪前,它们同样移动,只是慢了一点。曼佐尼,也许更博卡乔,在此类事件中面临的最大风险之一,是社会生活的毒害、人际关系的毒害、平民生活的尴尬。当你感到受到一个无形的敌人的威胁时,没有神论的本能是到处都能看到它,危险就是把我们的每一个同伴都视为一种威胁,当作潜在的侵略者。与14世纪和17世纪的流行病相比,我们身边有现代医学,它不是一点点相信我,它的进步,它的确定性,我们用理性的思想,这是女儿,以保持我们所拥有的最宝贵的善,我们的组织社会生活,我们的人性。如果我们做不到,瘟疫就会真的得奖。
我马上在学校等你。
给伏尔塔的学生
“卫生法庭曾担心与米兰的阿莱曼尼帮派一起进入的瘟疫,正如众所周知的那样,确实进入了它;也是众所周知的,他并没有停在那里,而是入侵和无人居住的意大利大部分地区…”
刚才提到的词是《承诺新婚》第31章的一章,这一章与下一章一起,完全致力于1630年袭击米兰的瘟疫疫情。这是一个启发性的文本和非凡的现代性,我建议你仔细阅读,特别是在这些混乱的日子。在这些网页中,已经一切,外国人危险的确定性,当局之间的暴力冲突,对所谓的病人零的痉挛搜索,对专家的蔑视,对名词的追捕,不受控制的声音,最荒谬的补救措施,袭击基本生活必需品 卫生紧急事件…在这些网页中,你将遇到,除其他外,你肯定知道的名字,经常光顾我们的Lyceum周围的街道,让我们不要忘记,站在什么是米兰的拉扎雷托的中心:卢多维科·塞塔拉,亚历山德罗·塔迪诺,费利斯·卡萨蒂举几例。简而言之,这些词似乎在今天的报纸版面上突然冒出来,比曼佐尼的小说还多。
亲爱的孩子们,在阳光下没有什么新鲜事,我会说,然而关闭的学校需要我说话。我们的机构是那些以其节奏和仪式标志着时间的流逝和公民生活的有序展开的机构之一,强迫关闭学校是当局在罕见和真正特殊的情况下诉诸的东西,这绝非巧合。这不是我评估的措施的适当性,我不是专家或假装,我尊重和信任当局,我严格遵守的迹象,但我想告诉你的是保持冷静,而不是让自己被拖集体精神错乱,继续 – 必要的预防措施 – 使正常的生活。利用这些天散步,读一本好书,没有理由-如果你很好-呆在室内。没有理由冲进超市和药店,把口罩留给那些生病的人,他们只提供口罩。
疾病从世界一端转移到另一端的速度是我们时代的女儿,没有可以阻止它们的墙壁,几个世纪前,它们同样移动,只是慢了一点。曼佐尼,也许更博卡乔,在此类事件中面临的最大风险之一,是社会生活的毒害、人际关系的毒害、平民生活的尴尬。当你感到受到一个无形的敌人的威胁时,没有神论的本能是到处都能看到它,危险就是把我们的每一个同伴都视为一种威胁,当作潜在的侵略者。与14世纪和17世纪的流行病相比,我们身边有现代医学,它不是一点点相信我,它的进步,它的确定性,我们用理性的思想,这是女儿,以保持我们所拥有的最宝贵的善,我们的组织社会生活,我们的人性。如果我们做不到,瘟疫就会真的得奖。
我马上在学校等你。
畀伏爾塔嘅學生
“衛生法庭曾擔心同米蘭嘅阿莱曼尼幫派埋埋嘅瘟疫, 正如眾所周知嘅咁, 真係進入左佢; 也是眾所周知的, 佢並冇停喺度, 而是入侵同無人居住嘅意大利大部分地區… ”
剛才提到嘅詞係《承諾新婚》第31章的一章, 一章與下一章一起, 完全致力於1630年襲擊米蘭嘅瘟疫疫情。 係一個啟發性的文本和非凡的現代性, 我建議你仔細閱讀, 尤其係喺呢啲混亂嘅日子。 在這些網頁中, 已經一切, 外國人危險嘅塙定性, 當局之間的暴力衝突, 對所謂的病人零的痙攣搜索, 對專家的蔑視, 對名詞嘅追捕, 唔受控制嘅聲音, 最荒謬的補救措施, 襲擊基本生活必需品衞生緊急事件… 在這些網頁中, 你將遇到, 除其他外, 你實知嘅名, 經常幫襯我哋嘅 lyceum 周圍嘅街道, 叫我哋唔好忘記, 企喺乜嘢係米蘭嘅拉扎雷托嘅中心: 卢多维科·塞塔拉, 亚历山德罗·塔迪诺, 费利斯·卡萨蒂 舉幾個例。 簡而言之, 這些詞似乎喺今日嘅報紙版面上突然冒出來, 仲多過曼佐尼嘅小說。
親愛的孩子們, 在陽光下冇咩新鮮事, 我會說, 然而關閉嘅學校要我講。 我哋嘅機構係那些以其節奏同儀式標誌著時間嘅流逝和公民生活的有序展開的機構之一, 夾硬關閉學校係當局在罕見同真正特殊嘅情況下訴諸嘅嘢, 絕非巧合。 唔係我評估的措施的適當性, 我唔係專家或詐, 我尊重同信任當局, 我嚴格遵守嘅跡象, 但我想話你知嘅係保持冷靜, 而唔係令自己被拖 集體精神錯亂, 繼續-必要的預防措施-令正常的生活。 利用呢几日散步, 讀一本好書, 冇理由-如果你好嘢-呆喺室內。 冇理由衝進超市和藥店, 把口罩畀啲病嘅人, 佢哋只提供口罩。
疾病由世界一耑轉移到另一耑嘅速度係我哋時代嘅囡囡, 冇人可以阻止它們的牆壁, 幾個世紀前, 它們同樣移動, 只係慢左 D。 曼佐尼, 或者更博卡乔, 在此類事件中面臨的最大風險之一, 是社會生活的毒害、人際關係的毒害、平民生活的尷尬。 當你感到受到一個無形的敵人的威脅時, 冇有神論的本能係周圍都可以見到它, 危險就是把我們的每一個同伴都視為一種威脅, 當作潛在的侵略者。 與14世纪同17世纪嘅流行病相比, 我哋身邊有現代醫學, 唔係少少佢信我, 佢的進步, 它的塙定性, 我哋用理性的思想, 係囡囡, 以保持我哋所擁有的最寶貴的善, 我們的組織 社會生活, 我哋嘅人性。 如果我哋做唔到, 瘟疫就會真係有獎。
我即刻喺學校等你。 …
볼타 의 학생들에게
“건강 법원이 밀라노의 알레만 갱단과 함께 들어갈 수 있다고 두려워했던 전염병이 실제로 들어갔습니다. 그리고 그것은 또한 그가 거기서 멈추지 않았지만, 침략하고 이탈리아의 좋은 부분을 채우지 않은 것으로 알려져 있습니다….”
방금 언급 한 단어는 약속 된 신혼 부부의 31 장을 여는 사람들, 다음과 함께 1630 년 밀라노를 강타 한 전염병 전염병에 전적으로 전념하는 장입니다. 그것은 특히이 혼란 스러운 일에 주의 깊게 읽을 조언 하는 조명 텍스트와 특별 한 현대. 그 페이지 안에는 이미 모든 것이 있으며, 외국인의 위험성의 확실성, 당국 간의 폭력적인 충돌, 소위 환자 제로에 대한 경련 검색, 전문가에 대한 경멸, 부음에 대한 사냥, 통제되지 않은 목소리, 가장 터무니없는 치료법, 기본 생필품의 습격, 건강 비상 사태 …. 루도비코 세탈라, 알레산드로 타디노, 펠리체 카사티 : 그 페이지에서 당신은 당신이 확실히 우리의 Lyceum 주변의 거리를 자주하여 알고있는 이름, 잊지 말자, 밀라노의 라자레토 이었다 무엇의 중심에 서, 건너 올 것이다 몇 가지 이름을 지정합니다. 요컨대, 만조니의 소설보다 더 그 단어는 오늘 신문의 페이지에서 튀어 나온 것 같다.
친애하는 소년, 태양 아래 새로운 아무것도, 내가 말할 것이다, 아직 폐쇄 학교는 말을 해야합니다. 우리의 리듬과 의식은 시간의 흐름과 시민 생활의 질서 정연한 전개를 표시하는 그 기관 중 하나입니다, 학교의 강제 폐쇄는 당국이 드물고 진정으로 예외적 인 경우에 의존하는 무언가이다 우연이 아니다. 그것은 내가 측정의 적절성을 평가하는 것이 아니다, 나는 전문가 또는 척하지 않습니다, 나는 존중하고 당국을 신뢰하고 나는 꼼꼼하게 표시를 관찰하지만, 내가 말하고 싶은 것은 당신이 당신의 차가운 유지하는 것입니다, 자신이 에 의해 끌려 하지 못하게 정상적인 생활을 하기 위해 필요한 예방 조치를 계속합니다. 산책을 하고, 좋은 책을 읽으려면 요즘을 활용하면 실내에 머무를 이유가 없습니다. 슈퍼마켓과 약국을 폭풍 할 이유가 없다, 아픈 사람들에게 남겨진 마스크, 그들은 단지 그들을 제공합니다.
질병이 세상의 한쪽 끝에서 다른 끝으로 이동할 수있는 속도는 우리 시대의 딸이며, 수백 년 전에 동등하게 움직였고 조금 더 느리게 움직일 수있는 벽이 없습니다. 이러한 사건에서 가장 큰 위험 중 하나, 만조니와 아마도 더 많은 Boccaccio, 우리에게 가르친다 사회 생활의 중독, 인간 관계의, 시민 생활의 당황. 보이지 않는 적에게 위협을 느낀다면 무신론적 본능은 사방에서 그것을 보는 것입니다, 위험은 잠재적 인 공격자로, 위협으로 우리의 동료를 보는 것입니다. 14 세기와 17 세기의 전염병에 비해, 우리는 우리 측에 현대 의학을 가지고, 그것은 조금 날 믿어, 그 진행, 확실성, 우리는 우리가 가지고있는 가장 소중한 선을 보존하기 위해 딸인 합리적인 생각을 사용, 우리의 조직 사회 생활, 우리의 인류. 우리가 그것을 할 수 없다면, 전염병은 정말로 이겼을 것입니다.
나는 곧 학교에서 당신을 기다리고 있습니다.
Agli studenti del Volta
“La peste che il tribunale della sanità aveva temuto che potesse entrar con le bande alemanne nel milanese, c’era entrata davvero, come è noto; ed è noto parimente che non si fermò qui, ma invase e spopolò una buona parte d’Italia…..”
Le parole appena citate sono quelle che aprono il capitolo 31 dei Promessi sposi, capitolo che insieme al successivo è interamente dedicato all’epidemia di peste che si abbatté su Milano nel 1630. Si tratta di un testo illuminante e di straordinaria modernità che vi consiglio di leggere con attenzione, specie in questi giorni così confusi. Dentro quelle pagine c’è già tutto, la certezza della pericolosità degli stranieri, lo scontro violento tra le autorità, la ricerca spasmodica del cosiddetto paziente zero, il disprezzo per gli esperti, la caccia agli untori, le voci incontrollate, i rimedi più assurdi, la razzia dei beni di prima necessità, l’emergenza sanitaria…. In quelle pagine vi imbatterete fra l’altro in nomi che sicuramente conoscete frequentando le strade intorno al nostro Liceo che, non dimentichiamolo, sorge al centro di quello che era il lazzaretto di Milano: Ludovico Settala, Alessandro Tadino, Felice Casati per citarne alcuni. Insomma più che dal romanzo del Manzoni quelle parole sembrano sbucate fuori dalle pagine di un giornale di oggi.
Cari ragazzi, niente di nuovo sotto il sole, mi verrebbe da dire, eppure la scuola chiusa mi impone di parlare. La nostra è una di quelle istituzioni che con i suoi ritmi ed i suoi riti segna lo scorrere del tempo e l’ordinato svolgersi del vivere civile, non a caso la chiusura forzata delle scuole è qualcosa cui le autorità ricorrono in casi rari e veramente eccezionali. Non sta a me valutare l’opportunità del provvedimento, non sono un esperto né fingo di esserlo, rispetto e mi fido delle autorità e ne osservo scrupolosamente le indicazioni, quello che voglio però dirvi è di mantenere il sangue freddo, di non lasciarvi trascinare dal delirio collettivo, di continuare – con le dovute precauzioni – a fare una vita normale. Approfittate di queste giornate per fare delle passeggiate, per leggere un buon libro, non c’è alcun motivo – se state bene – di restare chiusi in casa. Non c’è alcun motivo per prendere d’assalto i supermercati e le farmacie, le mascherine lasciatele a chi è malato, servono solo a loro.
La velocità con cui una malattia può spostarsi da un capo all’altro del mondo è figlia del nostro tempo, non esistono muri che le possano fermare, secoli fa si spostavano ugualmente, solo un po’ più lentamente. Uno dei rischi più grandi in vicende del genere, ce lo insegnano Manzoni e forse ancor più Boccaccio, è l’avvelenamento della vita sociale, dei rapporti umani, l’imbarbarimento del vivere civile. L’istinto atavico quando ci si sente minacciati da un nemico invisibile è quello di vederlo ovunque, il pericolo è quello di guardare ad ogni nostro simile come ad una minaccia, come ad un potenziale aggressore. Rispetto alle epidemie del XIV e del XVII secolo noi abbiamo dalla nostra parte la medicina moderna, non è poco credetemi, i suoi progressi, le sue certezze, usiamo il pensiero razionale di cui è figlia per preservare il bene più prezioso che possediamo, il nostro tessuto sociale, la nostra umanità. Se non riusciremo a farlo la peste avrà vinto davvero.
Vi aspetto presto a scuola.
貼り付け元 <https://www.ilfattoquotidiano.it/2020/02/26/coronavirus-il-preside-del-volta-di-milano-agli-studenti-leggete-manzoni-fate-vita-normale-il-nostro-bene-piu-prezioso-e-il-tessuto-sociale/5717808/>

人気ブログランキング

人気ブログランキングに参加しております。
よろしければポチっとお願いします!


不動産投資ランキング

にほんブログ村 投資ブログ 不動産投資へ
にほんブログ村